CONFIRA NOSSO

BLOG

06/Nov/2019

Ministério da Saúde

Câncer de próstata: causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção

O que é câncer de próstata?

Câncer de próstata é o tumor que afeta a prostata, glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis.O câncer de próstata é o mais frequente entre os homens, depois do câncer de pele. Embora seja uma doença comum, por medo ou por desconhecimento muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto.

As estimativas apontam 68.220 novos casos em 2018. Esses valores correspondem a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens, além de ser a segunda causa de morte por câncer em homens no Brasil, com mais de 14 mil óbitos. Na presença de sinais e sintomas, recomenda-se a realização de exames.

A doença é confirmada após fazer a biópsia, que é indicada ao encontrar alguma alteração no exame de sangue (PSA) ou no toque retal, que somente são prescritos a partir da suspeita de um caso por um médico especialista.

As células são as menores partes do corpo humano. Durante toda a vida, as células se multiplicam, substituindo as mais antigas por novas. Mas, em alguns casos, pode acontecer um
crescimento descontrolado de células, formando tumores que podem ser benignos ou malignos (câncer).

O câncer de próstata, na maioria dos casos, cresce de forma lenta e não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem. Em outros casos, pode crescer rapidamente, se espalhar para outros órgãos e causar a morte. Esse efeito é conhecido como metástase.

O que é a próstata?

A próstata é uma glândula presente apenas nos homens, localizada na frente do reto, abaixo da bexiga, envolvendo a parte superior da uretra (canal por onde passa a urina). A próstata não é responsável pela ereção nem pelo orgasmo. Sua função é produzir um líquido que compõe parte do sêmen, que nutre e protege os espermatozoides. Em homens jovens, a próstata possui o tamanho de uma ameixa, mas seu tamanho aumenta com o avançar da idade.

Quais os fatores de risco?

Existem alguns fatores que podem aumentar as chances de um homem desenvolver câncer de próstata. São eles:

Idade: o risco aumenta com o avançar da idade. No Brasil, a cada dez homens diagnosticados com câncer de próstata, nove têm mais de 55 anos.

Histórico de câncer na família: homens cujo o pai, avô ou irmão tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos, fazem parte do grupo de risco.

Sobrepeso e obesidade: estudos recentes mostram maior risco de câncer de próstata em homens com peso corporal mais elevado.

Como prevenir o câncer de próstata?

Já está comprovado que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco de câncer, como também de outras doenças crônicas não-transmissíveis. Nesse sentido, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.

Entre os fatores que mais ajudam a prevenir o câncer de próstata estão:

Ter uma alimentação saudável.

Manter opeso corporal adequado.

Praticar atividade física.

Não fumar.

Evitar o consumo de bebidas alcoólicas.

Sinais e sintomas do câncer de próstata

Na fase inicial, o câncer de próstata pode não apresentar sintomas e, quando apresenta, os mais comuns são:

- dificuldade de urinar;
- demora em começar e terminar de urinar;
- sangue na urina;
- diminuição do jato de urina;
- necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite.

Esses sinais e sintomas também ocorrem devido a doenças benignas da próstata. Por exemplo:

- Hiperplasia benigna da próstata é o aumento benigno da próstata. Afeta mais da metade dos homens com idade superior a 50 anos e ocorre naturalmente com o avançar da idade.
- Prostatite é uma inflamação na próstata, geralmente causada por bactérias.

IMPORTANTÍSSIMO: Na presença de sinais e sintomas, recomenda-se a realização de exames para investigar o câncer de próstata.

Quais exames são feitos para investigar o câncer de próstata?

Para investigar os sinais e sintomas de um câncer de próstata e descobrir se a doença está presente ou não, são feitos basicamente dois exames iniciais.

- Exame de toque retal: o médico avalia tamanho, forma e textura da próstata, introduzindo o dedo protegido por uma luva lubrificada no reto. Este exame permite palpar as partes posterior e lateral da próstata.
- Exame de PSA: é um exame de sangue que mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata - Antígeno Prostático Específico (PSA). Níveis altos dessa proteína podem significar câncer, mas também doenças benignas da próstata.

Qual exame confirma/diagnostica o câncer de próstata?

Para confirmar o câncer de próstata é preciso fazer uma biópsia. Nesse exame são retirados pedaços muito pequenos da próstata para serem analisados no laboratório. A biópsia é indicada caso seja encontrada alguma alteração no exame de PSA ou no toque retal.

Homens sem sinais ou sintomas precisam fazer exames para o câncer de próstata?

Alguns especialistas são contra de se fazer exames de rotina em homens sem sintomas, pois pode trazer tanto benefícios quanto riscos à saúde. Outros, no entanto, são a favor.

Benefícios: realizar o exame pode ajudar a identificar o câncer de próstata logo no inicio da doença, aumentando assim a chance de sucesso no tratamento. Tratar o câncer de próstata na fase inicial pode evitar que se desenvolva e chegue a uma fase mais avançada.

Riscos: ter um resultado que indica câncer, mesmo não sendo, gera ansiedade e estresse, além da necessidade de novos exames, como a biópsia. Diagnosticar e tratar um câncer que não evoluiria e nem ameaçaria a vida. O tratamento pode causar impotência sexual e incontinência urinária. Os riscos desses exames estão relacionados às consequências dos seus resultados e não à sua realização.

DESTAQUE: O Ministério da Saúde, assim como a Organização Mundial da Saúde (OMS), não recomenda que se realize o rastreamento do câncer de próstata, ou seja, não é indicado que homens sem sinais ou sintomas façam exames. Procure conhecer os riscos e os benefícios que envolvem a realização desses exames de rotina e converse com um profissional de saúde da sua confiança para decidir se deseja ou não realizá-los.

Qual o tratamento para o câncer de próstata?

O câncer de próstata é feito por meio de uma ou de várias modalidades/técnicas de tratamento, que podem ser combinadas ou não. A principal delas é a cirurgia, que pode ser aplicada junto com radioterapia e tratamento hormonal, conforme cada caso.

Quando localizado apenas na próstata, o câncer de próstata pode ser tratado com cirurgia oncológica, radioterapia e até mesmo observação vigilante, em alguns casos especiais. No caso de metástase, ou seja, se o câncer da próstata tiver se espalhado para outros órgãos, a radioterapia é utilizada junto com tratamento hormonal, além de tratamentos paliativos.

A escolha do melhor tratamento é feita individualmente, por médico especializado, caso a caso, após definir quais os riscos, benefícios e melhores resultados para cada paciente, conforme estágio da doença e condições clínicas do paciente. Todas as modalidades de tratamento são oferecidas, de forma integral e gratuita, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

ATENÇÃO: As informações presentes nesta página têm por objetivo apoiar e informar dados úteis sobre o câncer de próstata, mas não substituem, em hipótese alguma, a consulta médica. Em casos de suspeita, procure um médico especialista de sua confiança para avaliação.


VOCÊ PODE SE INTERESSAR TAMBÉM

  • 04/Jun/2020

    Agência Senado - Senado Federal

    Aprovado transporte exclusivo para cuidadores durante pandemia

    O Senado aprovou nesta terça-feira (26), em votação simbólica, a oferta de transporte segregado para os deslocamentos de cuidadores de pessoa idosa, com deficiência ou com doenças raras, enquanto durarem os efeitos da pandemia da covid-19. O texto aprovado segue agora para análise da Câmara dos Deputados, na forma de um substitutivo do senador Flávio Arns (Rede-PR) ao projeto original (PL 2.178/2020) da senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP). Pelo texto, o meio de transporte exclusivo para os cuidadores deve ser ofertado mesmo que não exista um pedido formal e, de preferência, em veículos que façam o trajeto porta-a-porta.   De acordo com Mara Gabrilli, o objetivo da proposta é impedir que os acompanhantes se tornem vetores de contágio. Foi justamente o que ocorreu com a senadora, que é tetraplégica e se contaminou no contato com uma das suas cuidadoras. "Precisamos evitar ao máximo que essas pessoas utilizem o transporte público para trabalhar, uma vez que sabemos que os ônibus e metrôs são locais com grande potencial de transmitir o vírus, devido à dificuldade de manter distância de outros passageiros e de evitar tocar nas barras de apoio", destacou a senadora ao justificar sua propsota. A proposta, modificada com o acolhimento de oito emendas, foi matéria de consenso entre os senadores. — Mara Gabrilli, com sua sensibilidade, conseguiu sentir essa dificuldade que é muito grande na área social, daqueles que trabalham com atendimento pessoal — ressaltou o senador Otto Alencar (PSD-BA). Autora de duas emendas, Soraya Thronicke (PSL-MS) classificou o projeto como de “primeiro mundo”. — Quando é que você imaginou que passaria um projeto como esse para pegar as pessoas de casa em casa, de porta em porta? Eu tenho até um pouco de receio dos chefes do Executivos dizerem que não é possível. Mas, a gente sabe que é possível, sim, materializar o que nós estamos colocando na legislação. Basta um esforço e boa vontade  — disse.    Transporte O substitutivo de Flávio Arns estabelece que o meio de transporte segregado deverá ser garantido pelo Distrito Federal e pelos municípios com mais de vinte mil habitantes. O serviço poderá ser prestado diretamente ou por meio de instrumento de cooperação firmado com outras unidades da Federação. — Garantiremos que os acompanhantes, os que desempenham as funções de atendente pessoal, possam realizar seus deslocamentos diários para as residências das pessoas com deficiência de maneira segregada e segura, sempre que possível, enquanto estivermos sob a ameaça da pandemia. Julgamos, porém, que se faz necessário o aperfeiçoamento do texto, uma vez que o projeto [original] não evidencia a quem caberá a responsabilidade pela oferta do meio de transporte segregado afirmou o senador. Veículos O texto também determina o reaproveitamento dos veículos ociosos destinados ao transporte escolar de alunos da rede pública de ensino ou a organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que prestem serviços a pessoas idosas, com deficiência e com doenças raras. O texto de Arns ainda autoriza os municípios, os estados, o Distrito Federal e a União a emitirem vouchers conversíveis em dinheiro para prestadores de transporte particular (como táxis, por exemplo) devidamente credenciados perante os órgãos competentes, a fim de garantir o transporte segregado a cuidadores. Somente poderão receber e utilizar esses vouchers os atendentes pessoais que forem devidamente reconhecidos pelo poder público.

    LER MAIS
  • 22/May/2020

    Cleber Vernillo de Toledo - Psicólogo Clínico - CRP: 08/30258

    A importância da saúde mental dos familiares e cuidadores de idosos: Impactos familiares e subjetivos

    Todos nós temos em alguma medida conhecimento sobre as fases da vida e esperamos passar por todas elas, pois seria o curso natural, nascer, se desenvolver, envelhecer e morrer. Contudo, vivemos em uma sociedade imediatista, que vive pelo agora, pois esperar já não é mais uma opção, tudo é melhor se acontecer hoje. Vivemos em uma sociedade moldada pelo individualismo, na qual o outro fica em segundo plano e o estilo de vida se molda para as satisfações pessoais. Mas, temos um desafio, nossos pais, irmãos e familiares outros envelhecem. Diante disso, quais seriam os impactos na saúde mental do indivíduo que se propõe a cuidar de um idoso e por muitas vezes se coloca em segundo plano? A forma como a sociedade contemporânea se moldou trouxe para nós um estilo de vida cheio de compromissos e anseios. Falta tempo para a família e aquelas conversas na poltrona junto a vovó, junto a vovô, junto aos pais já não parecem mais interessantes. Mas, são eles que carregam experiências e ensinamentos que ajudam a moldar nossa ética e condutas, afinal, somos até certo ponto produto das relações que estabelecemos com estes desde a nossa infância. Então aquele chá da tarde com a vovó pode ser muito prazeroso e proveitoso. Para definir a sociedade contemporânea e os novos modos de viver e se relacionar Zygmunt Bauman (2003) introduziu o conceito de “modernidade líquida”, para ele as relações são líquidas, passageiras, sem profundidade, ou seja, como se os vínculos fossem rasos, essa forma de relacionar-se substituiu as relações sólidas e rígidas de antes. Entretanto, voltemos à pergunta inicial, os impactos do envelhecimento dos entes queridos também são sentidos pelos membros da família, às vezes um membro da família assume uma maior responsabilidade sobre os cuidados necessários com o idoso como: alimentação, banho, higiene pessoal, agendamento de consultas médicas, acompanhamento em internamento, entre outros zelos. É neste ponto que a atenção que o idoso requer, em razão do estado físico limitado, que o cuidador familiar ou cuidadores familiares podem vir a adoecer. É preciso encontrar um equilíbrio entre as tarefas de cuidado com o idoso e a vida pessoal. Em muitos casos, um membro da família adoece psicologicamente, tem sua saúde mental prejudicada, pois deixa de viver momentos de lazer, ele pode vir a sentir-se na obrigação de estar sempre presente para cuidar do idoso. Não raro, aparecem os discursos como “ela cuidou de mim, agora é mínimo que posso fazer por ela (mãe)”, esse pensamento de “tenho que”, remonta a uma “obrigação”, ou uma forma de “retribuição” pelos anos de dedicação que o indivíduo recebeu da pessoa que hoje necessita de cuidado. Pode-se instalar uma anulação do seu próprio ser em razão cuidado do outro. Temos então, uma ambivalência de necessidades, o desejo de cuidar e não falhar com a pessoa que ama e o cuidado pessoal para que a vida não pare em função do outro e consiga viver de forma plena seus próprios desejos e momentos de lazer sem se sentir culpado por esse motivo. Para Bauman (2003) houve uma mudança no que diz respeito ao conceito de família, antes, até a modernidade, a família era percebida como um pilar, como uma instituição fundamental para sociedade, contudo na modernidade líquida a família perde o valor de pilar dando lugar para os interesses mais individuais e não coletivos, neste sentido se dedicar ao próximo limitaria as ambições individuais, a liberdade de ação e muitas vezes até a percepção de que cuidar de alguém é sacrificar uma vida bem sucedida. O que pode explicar o desinteresse de muitos membros da família no cuidado com os pais idosos, avós etc. Mas isso não exclui o fato de que haja no seio familiar indivíduos que necessitem de cuidados em razão da idade mais avançada. É comum que alguém assuma essa responsabilidade de cuidador. O cuidador(a) pode ser um filho(a), um irmão(a), pode acontecer que a vida deste que se dedica ao idoso fique estacionada em função de um cuidado exclusivo. Alguns sintomas psicológicos e sociais podem surgir como: baixa autoestima, estresse, sintomas ansiosos, fadiga, cansaço mental, falta de energia e interesse por atividades de lazer, nervosismo, crises nervosas, entre outros. É preciso que a família encontre uma forma de cuidar desse idoso de maneira que não sobrecarregue apenas um. Acionar familiares próximos para auxiliar nesse cuidado não deveria ser visto como fraqueza, pelo contrário, é necessário reconhecer os próprios limites e as necessidades individuais de descanso. O compartilhamento do idoso entre os membros da família ou pela contratação de profissionais terceirizados, pode ser uma oportunidade para prevenção de sintomas psicológicos e consequentemente uma manutenção da saúde mental das pessoas envolvidas com o cuidado do idoso, ambos podem se beneficiar, tanto o idoso que deixa de se perceber como um problema para família, quanto o cuidador que renova suas energias físicas e psicológicas para continuar suas tarefas diária. Se faz importante observar que o idoso pode sentir que atrapalha a família e que incomoda os mais novos, ele também pode adoecer, se sentir deprimido, sentir desvalor e até mesmo desenvolver sintomas depressivos mais graves. Os familiares que demonstram amor, cuidado, preocupação, e que visitam frequentemente os pais idosos e outros familiares de idade avançada, contribuem para uma saúde mental destes. Quando a vida se mostra corrida e são muitos os compromissos como, por exemplo, cuidar dos filhos, esposa, marido, estudos, reuniões, viagens, é preciso cuidar para que o idoso não fique sozinho, não se sinta rejeitado, neste momento a ajuda de cuidadores especializados e de outros membros da família, pode sim, ser um auxílio muito importante, e contribuir na amenização de um possível sentimento de solidão que o familiar possa sentir. Erikson (1985) pontuou que no final da vida algum desespero é inevitável, e que alguns lamentos surgem como o lamento pelo que não viveu, pela vulnerabilidade e pela própria transitoriedade que a vida nos impõe. Muitas famílias recorrem aos cuidadores especializados e empresas que fazem a intermediação para contratação desses profissionais. Os cuidadores especializados exercem dentro da família um papel primordial, contribuindo para que o idoso mantenha uma atividade diária que beneficia a manutenção da sua saúde física e mental, auxiliam na higiene pessoal, são atentos aos horários de alimentação e medicalização. Outro benefício na contratação desse profissional se dá pelo fato do idoso continuar sendo assistido no ambiente familiar onde a vida da família acontece e próximo aos seus, o que diminuí a possibilidade de sentir-se sozinho e abandonado. Quando um membro mais velho da família adoece, a organização da família sofre uma alteração e uma reestruturação é necessária, contudo, nem todas as famílias usufruem dessa possibilidade de mudança devido às obrigações e responsabilidades diárias, a contratação de um cuidador também pode ser um suporte para que a maioria dos membros da família não percebam como negativa a reestruturação. A presença do cuidador profissional, em partes, confere aos familiares mais tempo para passar com o idoso, mais momentos de lazer e trocas de afetos, contribuindo para que o vínculo não seja rompido. Vemos um mundo transformado, onde cada vez mais as pessoas estão se fechando, estão focadas em si, e excluindo o outro das relações, o outro passa ser uma ameaça à liberdade, é preciso (re)fazer os laços perdidos, retomar os valores familiares e retribuir os anos de dedicação que um dia recebemos de alguém, pois hora ou outra, estaremos do lado de lá. Este (re)conectar familiar pode contribuir positivamente para relações entre os pares envoltos a função do cuidado para com o idoso, diminuindo as possibilidades do adoecimento psíquico de ambas as partes. E por fim sobre a transitoriedade da vida, deixo as palavras de Cecília Meireles… “Eu não tinha este rosto de hoje, assim calmo, assim triste, assim magro, nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo. Eu não tinha estas mãos sem força, tão paradas e frias e mortas; eu não tinha este coração que nem se mostra. Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil: - Em que espelho ficou perdida a minha face?” Nota complementar: Vivemos em tempos de isolamento social em razão da pandemia provocada pelo Covid-19, e por isso, todo cuidado para com idosos que estão no grupo de risco se faz necessário, neste caso, o contato físico precisa ser evitado, mas temos a tecnologia que pode nos manter próximos mesmos distantes fisicamente. Cuide-se e cuide de quem você ama.

    LER MAIS
  • 14/May/2020

    Lorena Caleffi - Médica psiquiátrica / Leonardo Miguel Correa Garcia - Fisioterapeuta

    Isolamento Social: Criar uma rotina pode preservar a saúde mental e física

    Para evitar que se eleve a curva de crescimento do número de casos do novo coronavírus, a recomendação é de isolamento ou distanciamento social para todos aqueles que puderem ficar em casa. Além disso, limitar as saídas apenas para ir ao mercado ou a farmácia, quando muito necessário, são as medidas indicadas para este momento de pandemia mundial. Entretanto, para algumas pessoas, limitar os acessos e ficar apenas em casa pode causar desconforto e provocar sentimentos conflitantes. Para ajudar, não apenas nestes casos como também na organização de uma rotina para os dias de quarentena, a psiquiatra Lorena Caleffi, médica do Serviço de Psiquiatria do Hospital Moinhos de Vento e o fisioterapeuta Leonardo Miguel Correa Garcia do Serviço de Fisioterapia também do Hospital dão dicas de como manter a saúde mental e física de crianças, adultos e idosos. Impactos do isolamento social: Por mais que se tenha conhecimento sobre a importância deste momento de isolamento, a ansiedade pode aumentar, principalmente naquelas pessoas que já possuem algum grau de funcionamento ansioso. “É preciso dar-se conta que são os pensamentos catastrofizantes direcionados ao futuro que são os responsáveis pelo aumento de ansiedade”, explica Caleffi. Outro impacto importante, menos comum, mas que pode ser muito grave, é o aparecimento de sintomas depressivos. “Comportamento de maior isolamento do que o esperado, diminuição de prazer e interesse nas atividades diárias possíveis, insônia e alteração de apetite são sintomas que nos alertam para uma complicação nesse sentido”, complementa a especialista. Conscientizar-se de que esta situação é temporária, respeitar seu próprio ritmo e capacidade de absorver as informações são cuidados que podem ajudar no entendimento e clareza das ideias. As notícias estão por todos os lados e isso pode causar diversos sentimentos, desta forma, se for o caso, desligue a TV e se desconecte do celular por algumas horas. As informações continuarão à sua disposição para quando você puder acompanhá-las melhor. Dicas para manter a saúde mental e física: Ler, interagir com outras pessoas e praticar exercícios físicos são algumas dicas importantes para os dias de confinamento. A primeira exercita diversos circuitos cerebrais fundamentais para a manutenção das funções cognitivas. Já a segunda, ajuda a manter o contato afetivo com outras pessoas. E, sem dúvida, a prática de atividades físicas é fundamental para a saúde. “Exercícios contribuem para um bem-estar geral, ocasionando diversos benefícios ao nosso corpo, melhora da condição cardiovascular e, também, em situações que são muito pertinentes ao momento: a diminuição de estresse e ansiedade e melhora da imunidade. A boa alimentação também é importante”, destaca Leonardo. Caso não tenha a orientação de um profissional, a pessoa pode optar por realizar exercícios simples como pular corda, realizar apoios, abdominais, agachamentos, polichinelos e utilizar garrafas de água ou embalagens de 1kg de alimento como pesos. É indicado variar o tipo de treino a cada dia, evitando a monotonia. Este tipo de atividade pode ser realizada tanto por adultos quanto por idosos que não possuam nenhuma doença cardiovascular, respiratória ou nas articulações. “Saliento a importância de as atividades serem e possuírem a intensidade e carga adequada para o praticante tolerar todo o exercício e evitar possíveis lesões e dores indesejadas”, diz o fisioterapeuta. Para as crianças, a recomendação é estimular as atividades lúdicas. Além das brincadeiras, também existem os jogos de videogame com sensores de movimento, o que possibilita unir o desafio e o exercício. Estabeleça uma rotina: Para organizar todas essas dicas, o primeiro passo é criar uma rotina. Sem as atividades diárias normais, a organização da semana fica prejudicada. Por isso, para começar, é preciso ter um planejamento: estabeleça o que vai fazer, organize seu dia de forma consciente e tenha um propósito. As crianças são as que mais necessitam de organização. Com as escolas suspensas, sem poder encontrar os amigos para brincar ou respeitar a programação das aulas, a sensação de desestabilização pode causar muita angústia. Os adultos são os responsáveis por prover esta estruturação, acolhendo as incertezas e inseguranças dos pequenos. “O caminho é conversar, perguntar, acolher, entender, e reassegurar”, adverte Lorena. Os idosos estão sob cuidado total da sociedade, por serem a faixa etária de maior risco. É necessário ajudá-los no que for preciso, para evitar que eles se exponham desnecessariamente. Somado a isso, tirar um tempo para conversar com eles é uma maneira de ajudar com a inquietude do isolamento. “Uma peculiaridade desta faixa etária é estar, pelas leis da natureza, mais próxima do final da vida. A proximidade da morte, a ameaça à nossa sobrevivência, provocam uma noção de finitude que não estamos acostumados a ter em nossa cultura. Porém, essa consciência também pode trazer uma nova maneira de ver a vida. Pode modificar nossas escalas de valores ao percebermos o que realmente importa e que vida queremos deixar de herança, por qual biografia queremos ser lembrados”, finaliza Caleffi.

    LER MAIS

Aguarde...